terça-feira , 16 outubro 2018

Home » Entrevistas » ARMAGGEDON – do sertão vem os arautos do fim…..

ARMAGGEDON – do sertão vem os arautos do fim…..

setembro 19, 2018 9:44 pm by: A+ / A-

A banda Armaggedon, é uma banda de Death/Grind, que surgiu em 2004, em Arcorverde-PE, em meio às tradições locais, de bandas Punk e Hardcore, mas, mantendo sua originalidade e pegada “fora da receita” que acabou conquistando o Nordeste. Agora, em parceria com uma produtora do Sudeste, e saindo em turnê em breve, para cumprir agenda do EP “Horda Infernal” lançado este ano e em meio as gravações de seu primeiro full album, Kriolo, vocalista da banda e Mil, baterista e designer, me contam as novidades e o que pensam sobre a sua forma de produzir o underground independente, hoje. Acompanhem!

Julia – Simbóra, galera!

Kriolo – “Hoje! Não perca! De Frente com Júlia kkkkkkkkkk Dalle, monstra.

Julia – Dá-lhe!

Mil – Dalle!

1- Gostaria de saber de vocês o que vocês esperavam da banda, quando começaram, em 2004 e o que vocês conseguiram realizar com a Armaggedon. Me deem um balanço desse quatorze anos de estrada, com pausa e tudo! Digo, a respeito do que vocês esperavam. O que conseguiram realizar? Sei que vocês estão trampando pra caralho, fazendo muita coisa acontecer, estão a mil, mas eu tô querendo saber sobre a visão inicial pra banda.

Kriolo – Essa é pra Mil, que é fundador, nesse ano.

Mil – A principio, a gente só queria se divertir, um monte de adolescentes querendo aparecer pras meninas kkk. Depois de um tempo, começamos a pensar mais alto, criando musicas autorais, não tão boas, até porque a gente nem sabia tocar. Sim, acho que até o momento estamos realizando o sonho, mas ainda queremos mais! Grandes eventos, e turnês na Europa. Essa é a visão atual da banda, aperfeiçoamento das musicas, estudos e mais estudos.

Kriolo – Esse é meu ponto de vista também em relação a banda, crescer, evolução! Sempre estar mostrando qualidade. Somos eternos aprendizes.

2 – Vocês acham que quando a banda se profissionaliza e consegue se tornar banda de grandes eventos, começa a entrar em editais, deixa de ser underground? Por quê?

Kriolo – Não acho que deixa de ser underground por conseguir objetivos, isso só mostra que ser underground também é pensar grande.

Mil – Do underground viemos, no underground morreremos…kkk. Mas, a gente sempre está buscando algo mais profissional, sem deixar as raízes underground.
Temos que nos adaptar ao sistema. Só assim, a coisa anda.

Kriolo – Somos seres mutáveis.

3 – E essa história de fazer Death/Grind, em Arcoverde, tem discórdia com o Punk/HC, ou vocês são unidos aí?

Mil – Aqui a cena sempre foi unida, mas as bandas que eram formadas, só tocavam Punk Rock. Até por influência de “Pastor”, um dos fundadores do underground daqui. Dai, viemos com o som diferenciado.

Kriolo – Eu sempre digo que nesse caso, nós, “os matutos do interior”, somos civilizados. Não há divergências por gênero dentro do Rock. Mesmo assim, queríamos fazer algo diferente do que a cidade está a acostumada. E aqui, headbangers e Punks colam juntos no mesmo rolê. Até porque onde uma cena underground é pequena, se a dividir mais ainda isso seria extinção…

Mil – Punks, góticos, skinheads…

Kriolo – Até porque onde uma cena underground é pequena, se a dividir mais ainda isso seria extinção…

Mil – Eu por exemplo, curto e fiz parte da cena gótica de recife, tocando em banda e em locais como o Iraq, Burburinho…

4 – Vocês se autoproduzem, não é isso? O que tem desenvolvido com a Armaggedon e que caminho vocês acham que uma banda tem que seguir, pra chegar aos editais e melhores festivais? Vocês estão com assessoria de imprensa, está usando marketing digital, estúdio próprio… Contem-me como está sendo a experiência de produzir música hoje!

Kriolo – A experiência de produzir as músicas independentemente, está sendo surreal! Por você estar por dentro de tudo, tem um gosto a mais! Nós nos auto produzimos sim, mas hoje a BLP , nos tem dado um grande suporte, o fato de ter um designer na banda, também (Mil), nos deixa um passo a frente por ter uma certa facilidade na nossa produção das imagens, inclusive.

Mil – E músicos competentes (kkk), interessados em fazer a banda crescer, claro!

Kriolo – Pra chegar aos editais, estamos trabalhando exaustivamente na qualidade da banda, temos músicos que se preocupam com o que vamos mostrar ao público. Werlles, baixista, é muito exigente, quando se fala na execução das músicas, por exemplo.

5- Vocês também estão bem presentes na cena de fomento cultural no Agreste (Arcoverde é agreste, ou já Sertão?), com o coletivo cultural Reação Calango. Como surgiu a ideia de unir as cabeças? Fala-me um pouco desse projeto!

Kriolo – Arcoverde é considerada “O Portal do Sertão”, por estar bem no meio: metade Agreste, metade Sertão.

Kriolo – O Reação Calango, nos remete ao primeiro movimento da cidade o “Sistema Calango”, que por muito tempo, deixou a cena em evidência, com eventos marcantes como o “Calangotango” e “Praça Caos”. O Reação, nasceu depois de vermos que o movimento está quase sendo extinto. Daí, amigos se reuniram e veio a ideia de reagir e o nome do novo movimento ser REAÇÃO CALANGO. A ideia do Reação, nasceu em uma noite de cerveja.

Mil – O Reação é tipo um filho do Sistema Calango, onde a gente não deixa a cena daqui morrer. É isso!

6 – Vocês lançaram um álbum recentemente. Sobre o que são as músicas, predominantemente? É apenas você que escreve Kriolo, ou alguém mais compõe?

Kriolo – Eu escrevo, mas temos hoje Rodolfo (guitarra), que é um ótimo compositor, além de ser um grande poeta. No princípio da banda, quem fazia as Letras era Rogério, o primeiro vocalista, depois com minha entrada, em 2005, na banda, passei a dividir isso com ele. A primeira faixa do EP “Horda Infernal”, que leva o nome da banda, é uma parceria minha com Rogério. Essa é a primeira autoral da banda. Só que a do EP é uma versão modificada.Geralmente, abordo temas mitológicos, guerras, histórias baseadas Livros, tipo horda Infernal, foi feita com base no livro “Relatos de um Suicida” que li. Já a música Armaggedon, tem muito a ver com a capa do EP. Tipo: hordas, O Anjo da Morte, o apocalipse na Terra. Procuro sempre manter a letra em temas neutros.

7 – Me falem sobre o lançamento! Merchandising novo, clip novo… Como está indo a repercussão do novo CD?

Kriolo – Estamos trabalhando no full álbum, que ainda se encontra sem título. No último sábado criamos e concluímos a faixa, “PUNIÇÃO” letra feita por mim, e arranjos criados por Elton e Rodholfo. Mil pode falar mais da parte de merchandising. O disco em si contará com treze faixas, (13 é um medalhão pra Armaggedon) ao fecharmos nosso repertório, sempre caiu em treze músicas, independente de quando escolhemos. Sempre cai “13” inconscientemente. Dai, já fechou, isso…

Mil – A gente sempre procura manter a pagina movimentada, isso ajuda muito, sempre informando nossos curtidores dos nossos movimentos. Fazemos lives de ensaio, postamos fotos, flyers de shows, links de onde estamos sendo divulgados…a repercussão está sendo boa, nosso EP foi bem aceito no meio Metal, tanto em Pernambuco, como fora em outros estados.

Kriolo – Sobre o lançamento do Horda Infernal, estamos vendo que foi bem aceito, e temos tido elogios de pessoas como, Natto (Psych Acid), Lalo (Alkymenia), Pompeu (Korzus) que tem nosso cd, Allysson Drakkar (Luxúria de Lilith) e Vitor Rodrigues (Voodoo Priest), dentre outros amigos que nos apoiam.

8 – Quais os próximos passos da Armaggedon? Vocês têm turnês marcadas, vão descer pro Sudeste, me fala dos rolês!

Kriolo – Estamos trabalhando pra fazer uma tour de divulgação do full, mas estamos ainda com datas da tour do EP “Horda Infernal” a cumprir. A Armaggedon, até dezembro, passa por três estados: Rio Grande do Norte, Alagoas e Sergipe, sendo que o show de Messias (AL), será um dos mais importantes, pois contará no cast as bandas NERVO CHAOS (SP), NERVERCELL, de Dubai e ainda, a lendária banda alagoana de Death Metal: Morcegos!

Próximos shows confirmados:
05/10 Floresta PE
06/10 Aracaju Sergipe
03/11 Natal RN
15/11 Messias AL
24/11 Recife PE
09/12 Garanhuns PE

9 – Tem alguma surpresa que vocês queiram abrir ou alguma nova notícia que eu ainda não perguntei pra nós dar uma exclusividade? Muito obrigada pela entrevista, meus nobres! Deixem suas considerações e recados aos fãs e headbangers!

Kriolo – A novidade que estamos planejando um festival, com nome da banda, em Arcoverde, que são ideias no papel ainda: “Armaggedon Metal Destruction”. Daremos mais informações em breve.

Mil – Eu que te agradeço Julia, pela atenção e meu recado aos headbangers, é: “Muito obrigada, por todo o apoio, podem ter certeza, que ainda vão ouvir falar muito da Armaggedon!”
Let’s Grind, Armaggedon!
Mil: Hey ho! Lets grind!

https://www.youtube.com/watch?v=JPMxjDZCAIs&feature=youtu.be

Por: Julia Claudino
Produtora Cultural – Recife Underground Scene
Diretora e Roteirista – Programa Loucomotiva Metal
(81) 99718 9706 – Whatsapp

ARMAGGEDON – do sertão vem os arautos do fim….. Reviewed by on . A banda Armaggedon, é uma banda de Death/Grind, que surgiu em 2004, em Arcorverde-PE, em meio às tradições locais, de bandas Punk e Hardcore, mas, mantendo sua A banda Armaggedon, é uma banda de Death/Grind, que surgiu em 2004, em Arcorverde-PE, em meio às tradições locais, de bandas Punk e Hardcore, mas, mantendo sua Rating: 0

Facebook

scroll to top
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com