sábado , 18 agosto 2018

Home » Entrevistas » MARTYRDOM – debut álbum em 2018

MARTYRDOM – debut álbum em 2018

dezembro 8, 2017 11:44 am by: A+ / A-

Veterana banda da cena da “Princesa do Sertão”, Feira de Santana/Bahia, a Martyrdom tem um grande legado de colaboração para a hoje combalida e enfraquecida cena da cidade. Agora prestes a lançar seu tão aguardado debut álbum o TMV convocou a entidade “Amraking” para esclarecer alguns questionamentos sobre o passado, presente e futuro da banda.

1 – Sendo uma das bandas mais antigas da cena feirense (Feira de Santana/BA) a Martyrdom sofreu baixas após baixas em sua line up. Inclusive com este entra e sai sua sonoridade mudou bastante assim como sua temática lírica. Hoje como você olha para todo este passado de tamanha dificuldade, pode-se dizer que atualmente a line uo efetivamente irá finalmente se estabilizar?

Elimar “Amraking” Oliveira (vocalista/tecladista) – Hail MetalHeads leitores do excepcional The MetalVox que há décadas contribui para manter acesa a chama do verdadeiro Heavy Metal Underground!!!!Então, você é uma das testemunhas de nossa trajetória que sempre foi dessa forma – repleta de dificuldades inclusive as mudanças no line-up ao longo dos anos. A gente sempre espera que a formação atual se mantenha estável para não atrasar os projetos que acredito toda banda ter, mas felizmente essa formação atual é a que mais tempo está junta o que tem facilitado alguns de nossos projetos nos últimos anos.

2 – Assim espero! Em relação a temática lírica eu particularmente gosto muito da fase que o Marcello Paganus produzia quando se voltou para a cultura ameríndias, notadamente a cultura esplendorosa dos Aztecas. Agora posso, ouso, dizer que você tomou a frente e tem na Morte o Norte lírico da banda, e este direcionamento até perpassa a anterior já que os Aztecas eram notórios por fazerem sacrifícios humanos em seus rituais religiosos. Esclareça mais nossos leitores sobre este enfoque.

Amraking – Sim, Marcello “Paganus” Antunes (ex-baixo/vocal) era o responsável pelas letras e por ele ser um grande pesquisador e admirador da cultura Azteca escrevia textos com muita propriedade e riqueza de detalhes; antes de Paganus, Gilson Wordam (ex-vocalista) por sua vez escrevia sobre Ocultismo também com muita propriedade pela mesma razão. A temática lírica atual não foge tanto de ambas as fases, entretanto não é mais focada “apenas” numa temática específica e sim numa visão ancestral de várias civilizações e culturas a cerca da Morte e o misticismo que envolve esse mistério do universo.

3 – Verdade me passei em não citar o Gilson, sorry metalbrother. Agora a sonoridade da banda na minha modesta opinião de todas as fases que a banda passou é a mais rica e criativa. Hibrido, do Death com Doom Metal e como entusiasta deste último confesso que passei a prestar mais atenção no trabalho da banda. Esta fusão é fruto da colaboração de todos da banda ou de alguns em particular?

Amraking – A gente sempre escreve as canções com todos os membros colaborando, inclusive nas letras, eu fico feliz por essa aceitação de quem acompanha nosso trabalho, e você, grande entusiasta da música arrastada, acredito que vai gostar mais ainda quando perceber que estamos cada vez com a influência Doom Metal mais presente em nossas músicas, mantendo essa tradição Death/Doom Metal com fortes nuances Black Metal. O que vem por ai está cada vez mais lento e sombrio…

4 – Ethan!!! Dooommmmmmm, sem desmerecer os demais subestilos metálicos. Mas este “pulo do gato” para este novo direcionamento é dado justamente quando você assume a liderança da banda; sem falsa modéstia e sem querer desmerecer os demais membros e também pelo conheço de seu gosto musical, esta inclinação veio mais de sua mente, seja sincero.

Amraking – Confesso que sim, sou um grande fã dessa escola Maldita do Heavy Metal, que ainda se mantém distante de algumas modas (felizmente)… Acabo influenciando os demais a permitir que as melodias fúnebres desta vertente alimentem suas inspirações e o que acaba sendo produzido agrada todo mundo – Eternal Doomed Serenades!!!!!!!

5 – A Martyrdom lançou muito pouco material e ouso dizer que em sua maioria de baixa qualidade de audição, recentemente foi lançado um EP, o qual meu humilde selo participou com outros aliados, onde temos uma amostra melhor produzida e a qual mostra a força malévola do poderoso Death/Doom Metal de vocês. Mas novamente temos a inclusão de registros ao vivo com uma qualidade inferior e mais um fudido lyric vídeo. Não seria mais interessante trazer somente a música gravada em estúdio e o lyric vídeo e excluir os registros ao vivo?

Amraking – Não temos nada contra a grandes produções, por isso gravamos a faixa título do nosso mais recente lançamento, o EP “Culto Primitivo à Morte” (que tivemos a honra de contar com o suporte do The MetalVox Recs & Distro, Sociedade dos Mortos, Putrid Design e o ThunderGod Prods para o seu lançamento), com recursos para resultar num material de relativa boa qualidade, mas a gente gosta muito de levar pra aqueles que não tiveram ainda a oportunidade de nos ver e ouvir ao vivo um pouco do que são nossas apresentações de forma crua e sem truques de estúdio; a inserção de músicas ao vivo em nossos poucos materiais lançados até o momento tem esse objetivo.

6 – Entendo e foi bom você citar as apresentações da banda, ou melhor, o “Culto”. Há toda uma áurea misteriosa, soturna, enfim um verdadeiro Culto à Morte. Velas, candelabros, luzes bem fracas, você com maquiagem carregada e com uma túnica interpretando um sacerdote da Morte, demais membro de preto. Outra faceta que anteriormente não era usada, apesar de não ser a invenção da roda esta teatralidade hipnotiza o público.

Amraking – Sinceramente eu entendo ser extremamente importante a total sincronia da sonoridade e temática lírica com a estética de visual apresentada. Todos os elementos presentes em nossas apresentações têm a única e exclusiva finalidade de reproduzir a nossa mensagem em sua total simbologia. Nada é simplesmente pra chamar atenção e sim pra envolver os presentes em nossa densa atmosfera cinza e escura – A Lux Ocvlta do Universo.

7 – O debut álbum está prestes a ser lançado, esclareça para nossos visitantes o seu processo de criação no tocante o track list, arte gráfica e o motivo do mesmo não ter sido mais lançado agora em 2017.

Amraking – Nós estamos produzindo o nosso primeiro álbum de estúdio “Ritual Místico de Adoração à Sabedoria Ancestral” desde o final de 2016. Como tudo em nossa trajetória foi conduzido com muito sofrimento (com a licença do trocadilho) só conseguimos finalizar o processo de gravação no final do mês de outubro início de novembro deste ano corrente de 2017, graças a uma parceria firmada com o Dopesmoke Prods. O conceito gráfico que foi desenvolvido por nós e pelo designer gráfico Cláudio Santos (Putrid Deisign) e também foi finalizado no mesmo período, onde reconstituímos o monumento funerário de Antíoco I – Sóter. O álbum teve que passar pelo processo de masterização fora do país e por conta da agenda do produtor musical responsável ser muito cheia o processo só foi finalizado recentemente e ainda tem o processo prensagem que tem o encerramento antes do final do ano por conta também de agenda e outros compromissos pré-agendados.

Mas por outro lado esse “atraso” foi benéfico para podermos trabalhar melhor algumas surpresas que serão divulgadas no momento certo! Por hora a capa já foi divulgada e o set list do disco será composto por nove faixas sendo duas instrumentais (uma intro e um tema de encerramento): “Sic Luceat Lux, Nosce te Ipsum” (Intro), “Culto Primitivo à Morte”, “Aeternum Tenebrarum”, “A Verdadeira Inquisição”, “TetraGrammaTon”, “Nokturna”, “Apenas a Escuridão”, “Sóter – Lux Occvlta”, “O Último sofrimento d´Alma” (Outro). Nosso primeiro álbum deverá ser lançado nos primeiros meses de 2018 através de uma parceria firmada nas trevas com os selos: The MetalVox Recs & Distro, Eclypse Lunaris (corrija viu Jaime), Sociedade dos Mortos e Headcrusher Prods. Tivemos o cuidado de firmar parcerias com selos sérios e comprometidos de fato com o Heavy Metal Underground, mas como disse anteriormente, algumas surpresas ainda serão divulgadas no momento certo.

8 – O mistério faz parte da áurea maligna da Martyrdom definitivamente, nos resta esperar já que até eu como manager de um dos selos envolvidos tive minha curiosidade aguçada agora, não pode adiantar nada mesmo?

Amraking – Jaime Amorim!!! Você é o produtor executivo deste álbum, mas os mistérios que envolvem o conceito criativo deste precisam ser mantidos em total sigilo e revelados apenas no período onde o misticismo envolvido alcance seu momento de total sincronia para a sua aparição!!! Eu vou quebrar um encanto deste elo revelando que neste álbum há uma homenagem post-mortem a um escritor pouco conhecido de nossa terra: Aloísio Resende, que terá uma participação (calado) em uma das composições presentes no disco. Sua poesia escrita de forma singularmente maldita e com a coragem de escrever tais temas no início do século passado numa sociedade extremante conservadora, desafiando vários costumes de época (que por sinal ainda estão presentes na atualidade) foram inspiradores para parte desta obra. O restante só o álbum “R.M.A.S.A” revelará.

9 – Ok, faz parte. Agora um detalhe importante nisto tudo é que praticamente dos selos envolvidos do Estado da Bahia dois são do interior; a capital que outrora tinha um selo importante e histórico, Maniac Discos, eu desconheço que hoje tenha algum na ativa. O interior do estado mostra sua força, foda-se a modéstia, através da Ihells Produções (Alan anda sumido), Headcrusher Produçoes (Carlos), Pictures of Hell (Edvaldo), Odicelaf (Adauto), Rise of Cthulhu (Sócrates) e o TheMetalVox Recs na minha pessoa.

Amraking – É importante sim que essa “força” seja “distribuída” por todo o Estado. O interior da Bahia já vem mostrando sua força com selos (citados por você) dos quais tenho a honra de manter contato próximo com seus idealizadores, alguns desses por sinal também produzem eventos com muita força de vontade e profissionalismo, então eu vejo com muito bons olhos essa iniciativa e me sinto bastante orgulhoso em ter dois selos do interior da Bahia participando do lançamento do nosso álbum.

10 – Verdade, acredito que nossos visitantes puderam conhecer mais um pouco da Martyrdom e de seus planos; fique à vontade para enviar sua mensagem final.

Amraking – Nós agradecemos muito a oportunidade de estar novamente fazendo parte da história deste grande e importante veículo de comunicação underground que é o The MetalVox; agradecemos a todos que reservaram um tempo para acompanhar nossa conversa e quero dizer que em breve nosso primeiro álbum “Ritual Místico de Adoração à Sabedoria Ancestral” com o precioso suporte dos selos envolvidos, todos muito bem conceituados na história do Heavy Metal Underground e que dispensam apresentações: The MetalVox Recs & Distro, Headcrusher Prods, Sociedade dos Mortos e Eclypse Lunaris. Aproveito para mandar uma mensagem que acredito ser muito importante: HellBangers, não deixem de apoiar a cena; compareçam a shows em suas cidades e cidades próximas, apoiem as bandas adquirindo camisas, demos, cd´s e outros materiais, leiam zines (impressos e virtual), o apoio de todos é fundamental para que a cena continue viva. Juntos seremos sempre mais fortes!! Grande abraço a todos a aguardem a passagem do Cortejo Fúnebre por sua cidade!!!

https://www.youtube.com/watch?v=fjLcCOPBKL0

https://martyrdom.bandcamp.com/

Por: Jaime “TheMetalVox” Amorim

MARTYRDOM – debut álbum em 2018 Reviewed by on . Veterana banda da cena da “Princesa do Sertão”, Feira de Santana/Bahia, a Martyrdom tem um grande legado de colaboração para a hoje combalida e enfraquecida cen Veterana banda da cena da “Princesa do Sertão”, Feira de Santana/Bahia, a Martyrdom tem um grande legado de colaboração para a hoje combalida e enfraquecida cen Rating: 0
scroll to top
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com