quinta-feira , 20 julho 2017

Home » Entrevistas » ABERRATIO – mantendo a tradição da “velha” escola

ABERRATIO – mantendo a tradição da “velha” escola

março 1, 2017 6:30 pm by: A+ / A-

aberratio0

O Underground é um meio bem interessante, fui procurado pelo baterista Yuri Almeida que convidou meu pequeno e honesto selo (tem alguns por aqui com donos picaretas, cuidado) para participar do lançamento de seu debut álbum: “Aberratio”. MP3 enviados para avaliação me deparei com uma banda fudida e praticante de Death Metal tradicional, tradicionalíssimo diria. Álbum lançado e cá estamos trocando algumas ideias e as passando para vocês conhecerem um pouco mais sobre a banda.

1 – Na biografia da banda a primeira frase logo de cara me chamou a atenção: “Aberratio é uma banda de Death Metal brasileira que prioriza a tradição.” Esmiúce mais esta assertiva, vocês encaram que a cena do Death Metal está carente de bandas nesta linha? Enfim, haja como um legista, abra o corpo pútrido em sua frente.

Yuri Almeida (bateria) – Temos como objetivo ser tradicional. Por isso não usamos quase nada de Blast Beat, a bateria tem partes cadenciadas, o vocal não tem efeitos, é tosco e assim por diante. O underground brasileiro está contaminado. Muitas bandas querem é sucesso e para isso tocam o que agradará imaturos. O que mais temos hoje são bandas de pula pula Metal, batuques com distorção e esqueceram de como se faz Metal. Na verdade, o Metal brasileiro é muito Metallica e pouco Dismember, rsrsrs.

2 – Hummmm, dentro desta sua visão então Death Metal Extremo a la Krisiun, Rebaelliun não são frequentes no cd player de vocês do Aberratio?

Yuri – Krisiun é uma excelente banda, mas não é Death Metal Tradicional, é Brutal Death Metal. Particularmente aprecio bandas do estilo. Gosto muito do Nile e nosso vocal David Andrade escuta muito Cannibal Corpse, Vital Remains, mas nossa praia mesmo é o tradicional.

3 – O Aberratio mesmo mantendo esta veia tradicional procura ter seu diferencial, atuando na composição de músicas que mesmo tendo suas influencias musicais são o retrato fiel de sua singularidade. Além disto, usa uma guitarra de sete cordas e baixos fretlless. Como se deu a ideia do uso especifico destes instrumentos?

Yuri – A ideia inicial era tocar em um tom o mais baixo possível. Começamos em B (si) com uma guitarra de seis cordas, até que nosso guitar Julio Cesar comprou uma guitarra de sete cordas que é a afinação normal dela. Death Metal já é de praxe tocar em afinações mais baixas. O baixo fretless foi ideia do nosso baixista, Nathan Franco, que gosta demais dos álbuns do Death e Beyond Creation que usam fretless.

4 – Realmente o resultado é muito interessante, um diferencial para a banda, ponto para o Aberratio. Suponho então diante desta tua resposta que o Death e Beyond Creation são influencias da banda, citaria mais algumas outras?

Yuri – Sim, no que concerne aos baixos essas bandas são exemplos. Temos influência de Asphyx, Corpse Grinder, Benediction, Dismember, Massacre, Master e outras preciosidades. Ouvimos tudo dentro do estilo para termos o nosso próprio. Death Metal é um estilo muito rico. Obituary e Bolt Thrower por exemplo são do mesmo estilo, mas são muito diferentes.

5 – Agora nos diga, satisfaça uma curiosidade particular deste old banger. A banda é relativamente nova, começou em 2013 e nem bem começou se joga logo no lançamento de um full álbum. Presunção? Confiança exarcebada? Certeza de que era o momento certo para correr o risco?

Yuri – Nem presunção, nem confiança, somos uma banda de nego velho que quer tocar um som sujo apenas. Lançar um full de cara se deu porque achamos mais fácil já gravar 9 músicas e já lançar.

aberratio1

6 – Calma hombre! Kkkkkk, mas então nos relate como se deu este processo de composição/gravação já que sua resposta transparece que se deu de uma forma bem fluida e “fácil”.

Yuri – As composições são feitas nos ensaios, cada um dando uma ideia em um corpo que na maioria das vezes o Júlio traz. As gravações das guitarras e baixos foram feitas no Home Studio de nosso guitarrista. As baterias e vocais foram feitos no DS Studios. A intenção foi ter o mínimo possível de edição e a mixagem teve a intenção de ficar o mais próximo possível da banda ao vivo. Se alguém quiser saber como é o Aberratio ao vivo basta ouvir nosso cd, está bem fiel.

7 – Democracia impera então no processo de composição? Mas a palavra final é sempre do Julio?

Yuri – O Júlio César fez a base da maioria das músicas. Nos ensaios a gente opina e acaba colocando mais coisas. Ele gosta de um som mais porrada e eu sempre acrescento as partes lentas. Composição minha são apenas a Chernobyl e a Assyrians. As linhas de baixo todas foram o Nathan que fez e ele tem total liberdade, o que faz uma grande diferença. OS vocais também, quem define como será é o David e sai esse trem tosco que nos puxa mais ainda para o old school.

8 – Além da exuberância sonora, é esta linha de Death Metal que aprecio, a banda se preocupou em transmitir através da arte gráfica de “Aberratio” uma visão niilista desta realidade podre que nos rodeia? Quem bolou o conceito? Quem desenvolveu a arte em si?

Yuri – Isso saiu do mundo de Nathan Franco, que conseguiu pegar todas nossas temáticas e criar essa aberração. Coisa de maluco, ele deveria procurar um psiquiatra, rs.

9 – Está ficando cada vez mais comum lançamentos de álbuns no esquema de “cooperativa”: rateio da prensagem ente alguns ou diversos selos. O que facilita e diminui custos para todos os envolvidos. Além disto há um fator a mais neste “esquema” que o torna ainda mais interessante: a fragmentação da distribuição por todo o país quando os selos são de vários estados e ou regiões. Contudo há também um problema, quando no meio aparece selo gerido por gente desonesta que age com intenções escusas. Qual a tua visão sobre o assunto e se este esquema satisfez ao Aberratio?

Yuri – Nós do Aberratio não estaríamos onde estamos se não fossem os selos. Já estamos com nosso som em países como Holanda, Espanha, França, EUA, México e outros. Os selos também nos ajudaram a viabilizar o projeto. Fico feliz de ver o underground se unindo pela causa. Somos gratos a TheMetalVox, nossa voz no Nordeste! Somos gratos demais. Queremos ir tocar no nordeste, demais. Já teve gente do Piauí que entrou em contato pela resenha da TheMetalVox.

10 – Caro Yuri, agradeço o tempo cedido e acredito que os que nos prestigiam puderam conhecer um pouco mais sobre o Aberratio; fique à vontade para externar sua mensagem final aos nossos visitantes.

Yuri – Jaime, repito: somos gratos a você e a TheMetalVox pelo apoio que tem nos dado desde o começo. Valeu pela força!

https://soundcloud.com/aberratiodeath

https://www.youtube.com/channel/UC7rhTmAVeTNbmupiitoY9qA

Por: Jaime “TheMetalVox” Amorim

ABERRATIO – mantendo a tradição da “velha” escola Reviewed by on . O Underground é um meio bem interessante, fui procurado pelo baterista Yuri Almeida que convidou meu pequeno e honesto selo (tem alguns por aqui com donos picar O Underground é um meio bem interessante, fui procurado pelo baterista Yuri Almeida que convidou meu pequeno e honesto selo (tem alguns por aqui com donos picar Rating: 0
scroll to top
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com